A ESTRUTURA DO PLANO DE CONTAS CONTÁBIL

Base estrutural da contabilidade, o plano de contas é formado por uma estrutura que supre a necessidade dos registros contábeis a serem realizados nas operações e em atos e fatos incorridos de uma entidade, organização ou empresa, durante um determinado período previamente definido, em consonância com a exigência de apuração das informações financeiras e econômicas.

A estrutura divide-se em quatro grupos, cada um deles com subdivisões, para maior detalhamento das contas e suas influências econômico-financeiras.

ATIVO

É o grupo que detém direitos e bens, como contas a receber, disponibilidades — caixa e conta bancária — e posses, como máquinas e veículos. Possui os seguintes subgrupos:

Circulante: são os bens que se movimentam, já convertidos em dinheiro ou que serão rapidamente, como recebíveis dentro do ano, caixa e conta bancária.

Não-circulante: abrange contas a receber no ano seguinte ao corrente.

Imobilizado: envolve os bens móveis e imóveis.

PASSIVO

Este grupo representa a parte de movimentações que diminui o patrimônio, como contas a pagar e impostos. Subdivide-se em:

Circulante: representa as obrigações a serem honradas dentro do exercício atual, geralmente impostos, salários e parcelas de compras operacionais ou não.

Não-circulante: essa subdivisão engloba apenas as contas provisionadas a serem pagas no ano seguinte.

Patrimônio líquido: não é uma subdivisão, mas uma conta em destaque. Apura o patrimônio da empresa e é alocada no passivo por ser uma obrigação dela para com os sócios.

Receitas e despesas

O terceiro grupo compreende os lançamentos de resultado, chamados assim por serem os que fazem todo o movimento da empresa — do grupo de resultados e também dos demais.

Receitas operacionais

Como o nome já diz, são as receitas geradas em atividade empresarial — vendas, industrialização e prestação de serviços, individual ou simultaneamente.

Receitas não operacionais

Nesse subgrupo encontram-se os ganhos adquiridos de outras formas, como em juros sobre crédito concedido ou venda de ativo imobilizado.

Despesas operacionais

São gastos relacionados à atividade do negócio, pois são necessários para mantê-lo, como custos com aquisições de insumos, administrativos e com vendas.

Despesas não operacionais

Ao contrário das operacionais, essas despesas não têm relação com a finalidade da organização — doações, donativos e patrocínio a eventos, por exemplo.

Este poderosíssimo instrumento é a base referencial para a classificação das informações contábeis, por meio do qual obtemos os tão famosos balancetes e balanços e suas respectivas demonstrações de resultados.

Importante: quanto mais detalhado e completo for o plano de contas, melhor será a qualidade das informações fornecidas ao empreendedor.

Marco Antonio Granado é empresário contábil, contador, bacharel em direito, pós-graduado em direito tributário e consultor tributário e contábil do SINFAC-SP – Sindicato das Sociedades de Fomento Mercantil Factoring do Estado de São Paulo.

Video institucional

Cursos EAD

Cursos e Eventos

Nenhum evento disponível.

Fotos dos Eventos

Sobre o Sinfac-SP

O SINFAC-SP está localizado na
Rua Libero Badaró, 425 conj. 183, Centro, São Paulo, SP.
Atendemos de segunda a sexta-feira, das 9 às 18 horas.